domingo, 10 de janeiro de 2016

Resenha: O misterioso caso de Styles


Título Original: The mysterious affair at Styles
Autor: Agatha Christie
Ano: 1920
Editora: Feedbooks
Páginas: 212 p.
Publicação: 2008
ISBN: 1602067910
Idioma Original: inglês
Título em português: O misterioso caso de Styles




Sinopse:
A engenhosidade e astúcia de Agatha Christie são assombrosas, com uma narrativa fluída e envolvente ela apresenta uma história instigante - a partir da morte da matriarca de Styles Court se desenrola uma complexa trama, suicídio ou envenenamento? Quem teria interesse em assassinar Mrs. Emily Inglethorp? Como juntar este desconexo quebra cabeças de provas e evidências? Através da narrativa de Mr Hastings, vamos nos aproximando das personagens desta misteriosa intriga; o estranho Alfred Inglethorp esposo de Mrs. Inglethorp e principal suspeito do crime, John e Laurence Cavendish, filhos de Mrs. Inglethorp, Mary Cavendish esposa de John, Evelyn Howard, governanta da casa, e Cynthia Murdoch, protegida de Mrs. Inglethorp, são os moradores da casa e cada um deles tem algo a esconder.


Eu li este livro para o desafio Alfabeto Literário, para o mês de janeiro> ler um livro de um autor com inicial A; #desafioalfabetoliterário. 


Publicado pela primeira vez em 1920, este é o primeiro romance policial escrito pela Agatha Christie e temos também a primeira aparição do detetive belga Hercule Poirot.  Já disse anteriormente, Agatha Christie é minha escritora favorita, então este seria o livro ideal para iniciar minhas leituras dos desafios deste ano.

O livro é narrado em primeira pessoa, pelo Capitão Arthur Hastings, amigo de Poirot. É ambientando durante a Primeira Guerra Mundial. Poirot é um refugiado belga que está vivendo na Inglaterra, em uma cidade próxima à Mansão Styles.

Emily Inglethorp, matriarca da família, herdou a casa e toda a herança do marido. Sr. Cavendish, com quem casou, era viúvo com dois filhos pequenos, John e Lawrence.  


Emily é uma grande filantrópica (é com a ajuda dela que vários belgas se refugiaram na cidade) e criou os dois filhos com muito amor e carinho. Depois da morte do pai, os filhos continuaram morando na casa e tendo toda a mordomia e dinheiro a disposição deles.

Tudo era felicidade (rsrsrsrsrs) até que Emily casa-se novamente, com o misterioso Alfred Inglethorp, um homem 20 anos mais jovem que ela e com um misterioso passado. A família não aprova o casamento, afirmando que Alfred só está interessado no dinheiro dela.

Quando Emily morre em seu quarto, aparentemente trancado por dentro, durante a madrugada e o médico afirma que ela foi envenenada. Todos se tornam suspeitos. Quem poderia ter assassinado Emily?

Para resolver este dilema, Hastings, que está hospedado na Mansão convidado pelo seu velho amigo John Cavendish, sugere chamar Poirot, um detetive belga minucioso e discreto que está hospedado na cidade.

Assim se inicia a trama policial-suspense do primeiro livro da Agatha Christie.

Poirot é introduzido aos poucos, afinal ninguém conhecia esse tal detetive belga. Hastings vai nos apresentando o caso, questionando Poirot e descrevendo todas as pistas do caso.

No desenrolar da história vemos que todos são suspeitos (família, agregados e empregados), todos tem motivo para querer matar Emily, meios e seus álibis são fracos.

Quem já leu algum livro da Agatha sabe que todas as pistas são reveladas ao longo do livro, só precisa saber identificá-las, o que não é o caso do Hastings (eheheheheheh).

A leitura flui e cativa o leitor, querendo chegar ao fim para resolver o mistério da morte da Emily.  Mesmo sendo o primeiro livro policial da autora em nenhum momento a história se perde ou fica cansativa.  Pelo contrário, te prende do início ao fim.

Agatha Christie (por recomendação da editora) teve que reescrever o capítulo onde Poirot revela a identidade do assassino. No original Poirot revela no tribunal, com a alteração a revelação ocorre na sala de estar, local que se tornaria preferência de Poirot para apontar o assassino e todas as pistas que ele nos deu e nós não entendemos.

Não é meu livro preferido dela, mas o recomendo fortemente. Principalmente para os iniciantes em Agatha Christie.





Um comentário:

  1. Oi Lisandra.
    Agatha Christie merece o título de Rainha do Crime, né?
    Também sou fã dela e claro de Poirot.
    Não sabia que esse era o primeiro livro dela e nem dos detalhes como da famosa sala de estar.
    Adorei.
    bjs,
    Luana Lima
    http:blogmundodetinta.blogspot.com
    Obrigada por participar do #desafioalfabetoliterário

    ResponderExcluir