terça-feira, 12 de janeiro de 2016

Resenha: A sombra do vento


Título Original: La sombra del viento
Autor: Carlos Ruiz Zafón
Ano: 2001
Editora: Planeta
Páginas: 576 p.
Publicação: 2004
ISBN: 8408043641
Idioma Original: espanhol
Título em português: A sombra do vento



Sinopse:
Daniel Sempere está completando 11 anos. Ao ver o filho triste por não conseguir mais se lembrar do rosto da mãe já morta, seu pai lhe dá um presente inesquecível: leva-o a um misterioso lugar no coração do centro histórico da cidade, o Cemitério dos Livros Esquecidos. "Sombra do Vento" é um romance arrebatador sobre o poder da cultura e a tragédia do esquecimento.

Em uma das minhas buscas por livros de escritores de língua espanhola, me deparei com este livro do autor espanhol Carlos Ruiz Zafón. Dizia ser um livro de mistério (meu gênero preferido) e de um autor espanhol atual, me interessei em lê-lo.

Quando vi a quantidade de páginas quase desaminei, mas logo que comecei a ler, me apaixonei pelo livro. Mesmo não sendo um livro só de mistério, ele me prendeu do inicio ao fim. Do tipo que não conseguia parar de ler, não via a hora de ter um tempo para poder acompanhar mais um pouco a vida do menino Daniel.




Terminei de ler em dezembro/2015, mas não conseguia fazer a resenha. Não sabia como expressar o quanto eu gostei deste livro. Ainda não sei, mas vamos lá.

A sombra do vento faz parte de uma trilogia “O cemitério dos livros esquecidos”, juntamente com o segundo livro O jogo do anjo, lançado em 2008 e o terceiro O prisioneiro do céu, lançado em 2011. Parece que terá um quarto livro, mas não tem nada publicado a respeito (pelo menos não achei ainda). Os livros são ligados entre si através dos personagens e storylines, sendo assim podem ser lidos em qualquer ordem de forma independentes.

Tem de tudo neste livro, mistério, amor, coração partido, vingança, amizade, família, comédia, política, história espanhola e livros. Tudo na medida certa, sem ficar carregado demais em um assunto e cansativo.

A estória é narrada em primeira pessoa, pelo protagonista Daniel Sempere, na maior parte do livro. Quando o personagem se depara com alguma explicação do seu mistério, a narração passa para terceira pessoa e na quinta parte do livro Nuria Monfort – Memoria de aparecidos – 1933-1955, a narração é em primeira pessoa pela personagem Nuria. Parece complicado, mas não é. Quando esta lendo tudo isso é percebido facilmente.

O livro é ambientado na primeira metade do século XX, depois da segunda guerra (1939-1945), da guerra civil espanhola (1936-1939) e durante o regime fascista liderado pelo general Francisco Franco (1939-1976). Passa-se em uma Barcelona arrasada pela guerra e temida pelo regime fascista.  Mas ao mesmo tempo linda e cativante aos olhos do Daniel.

Tudo começa em uma manhã de verão em 1945, quando Daniel com ainda 10 anos acorda durante a noite aos gritos, pois não lembra mais o rosto da mãe que havia morrido seis anos antes. O pai então leva Daniel a um lugar simplesmente maravilhoso, conhecido somente por algumas pessoas.

Uma biblioteca enorme onde são guardados vários livros antigos, relíquias, El cementerio de los libros olvidados. 

Daniel fica maravilhado com tantos livros e o pai então explica que cada um que visita o lugar tem que escolher um livro, qual preferir e adotá-lo, assegurar que nunca desapareça e que permaneça vivo. Assim Daniel escolhe seu livro, um romance de Julián Carax, La sombra del viento.

Em uma noite Daniel lê o livro inteiro e no dia seguinte quer conhecer mais sobre o autor que nunca havia ouvido falar. Passam-se anos até que Daniel consegue informações importantes sobre o autor.

Assim, vemos Daniel crescer de um menino de quase 11 anos, a um adolescente romântico até ser adulto e se tornar pai. A primeira paixão por uma mulher mais velha, a desilusão amorosa, uma nova paixão, amizades construídas e pistas sobre o misterioso autor que poucos conhecem.

Os personagens são todos (e olha que são muitos) bem construídos, com sentimentos reais e humanos. Apegamo-nos e torcemos por eles, assim como queremos a punição para outros. Meu preferido é Fermín Romero de Torres, temos os melhores momentos cômicos e tristes com este personagem.

Com o desenrolar do livro, temos várias histórias dentro de histórias e principalmente a história de Daniel e Julián se encontram, tornando se paralelas e até se misturam. Terminando em um final maravilhoso.

Este foi o primeiro livro que li do Zafón, mas já adquiri os outros dois da trilogia que pretendo ler ainda em 2016. E com certeza este autor entrou para lista dos meus favoritos. A escrita dele flui e é gostosa de ler. Eu li o livro em espanhol e não achei nem um pouco difícil entender (meu espanhol é básico).

Recomendo muito este livro, ele ganhou meu coração!



Nenhum comentário:

Postar um comentário