quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

Resenha: A menina da neve

Título Original: The snow child
Autor: Eowyn Ivey
Ano de Publicação: 2012
Editora: Reagan Arthur Books/Little, Brown and Company
Páginas: 389p.
Ano de Edição: 2012
ISBN: 9780316192958
Idioma Original: Inglês
Título em português: A menina da neve




Sinopse:
Alasca, 1920: Um lugar especialmente difícil para os recém-chegados Jack e Mabel. Sem filhos, eles estão se afastando um do outro cada vez mais - ele, no duro trabalho da fazenda, ela, se perdendo na solidão e no desespero. Em um dos raros momentos juntos durante a primeira nevasca da temporada, eles fazem uma criança de neve. Na manhã seguinte, ela simplesmente desaparece. Jack e Mabel avistam uma menina loira correndo por entre as árvores, mas a criança não é comum. Ela caça com uma raposa-vermelha ao lado e, de alguma forma, consegue sobreviver sozinha no rigoroso inverno do Alasca. Enquanto o casal se esforça para entendê-la - uma criança que poderia ter saído das páginas de um conto de fadas -, eles começam a amá-la como se ela fosse filha deles. No entanto, nesse lugar bonito e sombrio, as coisas raramente são como aparentam ser, e o que aprendem sobre essa misteriosa menina vai transformar a vida de todos eles.


Mais um livro lido para o Desafio Alfabeto Literário #desafioalfabetoliterário, este mês o tema era autores com inicial E, P ou X. Escolhi este livro da autora americana Eowyn Ivey.

Este livro é um daqueles que te persegue até você lê-lo. Sim eu fui perseguida por ele nos últimos meses (kkkkk), deixe-me explicar. O livro foi lançado aqui no Brasil no final do ano passado pela Editora Nova Conceito e vários blogs que acompanho fizeram resenhas dele. A capa logo me chamou a atenção e depois que li a primeira resenha, gostei da história e anotei para ler. Mas ai, quase em todos os blogs eu via a resenha, a vontade de ler aumentava, até que finalmente peguei para ler neste carnaval. Por isso, eu digo que ele me perseguiu.

Nunca é bom iniciar a leitura com tanta expectativa, porque geralmente a decepção vem logo em seguida. Mesmo assim, comecei a ler e isso não aconteceu. Eu AMEI o livro, a história, os personagens, o cenário (Alasca), o mistério e tudo mais. Por isso, este livro ganhou cinco livrinhos e mais meu coração de favorito.


Jack e Mabel se apaixonaram e casaram, sonhavam em ter uma família alegre e com muitos filhos e netos. Mabel consegue engravidar uma única vez e a criança nasce morta. Com isso e mais os olhares de pena dos parentes e amigos, eles decidem largar tudo onde moram e ir desbravar o inóspito Alasca da década de 1920. A vida não é fácil no homestead, o inverno rigoroso e, além disso, os dois não são mais jovens.

A vida isolada que planejaram também os isolou a ponto de não conversarem entre eles. Até o dia, da primeira nevasca do ano, quando Mabel vendo a neve cair, sai da cabana e começa a brinca na neve. Jack vai para fora também e os dois correm, brincam, jogam bolas de neve um no outro, riem e se divertem como não faziam há anos. Os dois constroem um boneco de neve, que na verdade é uma menina de neve, Jack esculpe o rosto da menina de neve com traços delicados e Mabel coloca um cachecol e luvas vermelhas.

Na manhã seguinte, a menina de neve está desmanchada e o cachecol e as luvas sumiram. E a partir daquele dia, os dois começam a ver uma criança, uma menina branca como a neve, fria como o gelo e com os cabelos louros que refletem os raios solares. Ela usa um casaco azul, botas de neve, chapéu de marta e o cachecol e luvas que Mabel colocou no boneco de neve e está sempre andando acompanhada por uma raposa vermelha.


Ninguém mais vê ou sabe algo da menina, e eles não sabem se ela é real ou fantasia, assim segue o desenrolar desta história maravilhosa. Os personagens são todos bem construídos, não são profundos, mas são cativantes e brilhantes. Mabel que no inicio é triste e fechada, mas depois mostra uma personalidade forte e segura. Jack um homem trabalhador, protetor e bondoso. Na família Benson, o pai George é um homem forte, Esther, essa sim é uma personagem marcante, uma mulher que não mede esforços para ajudar a família e amigos e domar a terra fria e cruel em que vive. O filho mais novo deles, Garret é um adolescente de treze anos, mas com personalidade e atitude de adulto maduro. E é claro Faina, a menina da neve, tímida, reservada e livre.

A narrativa é fluida, a escrita da autora é poética, te faz viajar e sonhar com as paisagens que ela descreve, te faz viver no inverno rigoroso do Alasca e ao mesmo tempo correr e brincar entre as árvores das florestas de coníferas e patinar nos lagos congelados. Não é a toa que o livro foi um dos finalistas do Prêmio Pulitzer, em 2013.

O livro é narrado em terceira pessoa e é dividido em três partes, a primeira parte é mais descritiva, a autora descreve como são a vida dos personagens, as dificuldades, as relações entre eles e com eles mesmos. Nele conhecemos sobre o passado do casal. A segunda parte muda completamente, o mistério sobre a menina na neve vai sendo revelado e os personagens mudam, eles crescem emocionalmente e passam a ver a vida de outra forma. Na terceira parte, aí tudo muda mesmo, até o rumo da história. Já se passaram anos e todos estão mais velhos com outras metas e projetos.


A história foi baseada em vários contos e fábulas que a Eowyn Ivey cita entre as partes do livro e principalmente no conto de fada russo Snegurochka de 1857, “The Snow Maiden”.


O final é incrível, de tirar o fôlego. A menina da neve é um livro tocante e fascinante, recomendo a todos.




2 comentários:

  1. Oi Lisandra,
    Eu amei esse livro, o final me surpreendeu.
    Dentre todas as teorias era a que mais eu achava impossível sobre o final dele. Mas também fiquei triste pelo menino haha

    tenha uma ótima sexta.
    Nana - Obsession Valley

    ResponderExcluir
  2. Oi Lisandra,
    Uma das meninas de tinta leu o livro e como você achou fantástico, desculpe o trocadilho,rs.
    Sua resenha ficou ótima.
    Obrigada por participar do Desafio Alfabeto Literário.
    bjs

    ResponderExcluir