segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

Resenha: Por lugares incríveis

Título Original: All the bright places
Autor: Jennifer Niven
Ano de Publicação: 2015
Editora: Seguinte
Páginas: 336p.
Ano de Edição: 2015
ISBN: 9788565765572
Idioma Original: Inglês
Tradução: Alexandra Esteche
Título em português: Por lugares incríveis



Sinopse:

Violet Markey tinha uma vida perfeita, mas todos os seus planos deixam de fazer sentido quando ela e a irmã sofrem um acidente de carro e apenas Violet sobrevive. Sentindo-se culpada pelo que aconteceu, Violet se afasta de todos e tenta descobrir como seguir em frente. Theodore Finch é o esquisito da escola, perseguido pelos valentões e obrigado a lidar com longos períodos de depressão, o pai violento e a apatia do resto da família. Enquanto Violet conta os dias para o fim das aulas, quando poderá ir embora da cidadezinha onde mora, Finch pesquisa diferentes métodos de suicídio e imagina se conseguiria levar algum deles adiante. Em uma dessas tentativas, ele vai parar no alto da torre da escola e, para sua surpresa, encontra Violet, também prestes a pular. Um ajuda o outro a sair dali, e essa dupla improvável se une para fazer um trabalho de geografia - visitar os lugares incríveis do estado onde moram. Nessas andanças, Finch encontra em Violet alguém com quem finalmente pode ser ele mesmo, e a garota para de contar os dias e passa a vivê-los.


Depois de ler tantas resenhas e críticas positivas a respeito deste livro, resolvi ler, a história me pareceu ser boa e a capa é muito bonita (rsrsrsrs).

A principio achei que seria uma história clichê e nada original, dois jovens adolescentes diferentes se encontram, se apaixonam, vencem as barreiras para ficarem juntos e final feliz. Mas não, é um livro que fala sobre a dor, perda, sofrimento, depressão, morte, superação, amizade, amor e vida.


Violet Markey é a garota bonita, popular, com vários amigos legais, namora o perfeito e lindo capitão do time, tem uma família perfeita, pais amorosos e perfeitos. Ela e a irmã (um ano mais velha que ela) são amigas, unidas e possuem um blog famoso. Sabe exatamente o que quer fazer no futuro.

Theodore Finch é o garoto problema da escola, sofre bullying na escola, o pai abandonou a família, o espancava quando criança, a mãe não sabe o que acontece, onde estão ou liga para os filhos. Kate é a irmã mais velha que tem que se preocupar com a casa, com Theodore e a pequena Decca, além da faculdade. Theodore está sempre arrumando briga no colégio e está prestes a ser expulso. E é apelidado na escola de Theodore aberração.


Dois jovens que vivem em mundos diferentes, se não fosse à tendência ao suicídio os unir. Depois que Violet e a irmã sofrem um acidente de carro e a irmã morre. Violet se sente culpada e mesmo depois de quase 9 meses ela não superou a perda da irmã, se isola dos amigos, termina o namoro. Theodore tem uma obsessão de colecionar informações sobre formas de suicídios, estuda os diversos casos de suicídio e fica pensando quando ele teria coragem de cometer o suicídio. É assim que os dois se conhecem e começa a história do livro.

“Será que hoje é um bom dia para morrer?”

Theodore está no alto da torre do sino da escola, lugar que ele já esteve várias vezes, olhando para baixo e pensando que tudo se resolveria se ele pulasse e Violet também está lá, olhando para baixo, procurando uma saída para acabar com a dor da perda da irmã.

Os dois ao se verem naquela situação ajudam um ao outro a sair de lá. Na aula de geografia, o professor pede um trabalho para o fim do semestre, cada dupla precisa visitar lugares bonitos e diferentes do estado em que vivem – Indiana. Finch pede para fazer dupla com Violet que aceita com medo que Finch conte o segredo dela para todos. Assim nasce uma amizade entre eles, uma amizade que poderá salvá-los ou não.

Os capítulos são narrados pelo ponto de vista dos dois protagonistas, Violet e Finch alternam para contar o que acontece com cada um deles. A escrita da autora é fluida, poética e bonita mesmo abordando temas tristes como morte, suicídio, transtorno bipolar, distúrbios psicológicos e depressão.

“É melhor manter as palavras tristes, ruins, más, desagradáveis separadas, onde possam ser vigiadas pra gente ter certeza de que não vão nos pegar de surpresa.”

Por mais previsível que fosse o desfecho dos dois personagens eu estava com esperanças que algo seria diferente. Ficava dizendo a frase que Finch mais odeia “só tenha cuidado”, não vou falar que gostei do final, mas também não vou falar que não gostei, foi um final e ponto.


É um livro emocionante, profundo e envolvente. Por lugares incríveis é um livro sobre a vida. Recomendo a todos, com certeza ganhou meu coração. 




Um comentário:

  1. Oie!!!

    Eu também fiquei igual você, super empolgada com esse livro pelas resenhas, mas dai como eu tava lendo tanto livro assim na época, quando ele chegou eu dei um tempo.

    Dai acabou ficando pra lá e eu troquei ele sem ler. Não tava no momento, mesmo sabendo que deve ser um livro maravilhoso.

    Bjs, @dnisin
    www.sejacult.com.br

    ResponderExcluir