quarta-feira, 27 de abril de 2016

Resenha: Enders

Título Original: Enders
Autor: Lissa Price
Ano de Publicação: 2013
Editora: Delacorte Press
Páginas: 288p.
Ano de Edição: 2014
ISBN: 9780385742504
Idioma Original: Inglês
Título em português: Enders - Ninguém é realmente o que parece



Sinopse:
Depois que a Prime Destinations foi demolida, Callie pensou que teria paz para viver ao lado do irmão, Tyler, e do amigo, Michael. O banco de corpos foi destruído para sempre, e Callie nunca mais terá de alugar-se para os abomináveis Enders. No entanto, ela e Michael têm o chip implantado no cérebro e podem ser controlados. Além disso, o Velho ainda se comunica com Callie. O pesadelo não terminou. Agora, Callie procura uma maneira de remover o chip - isso pode custar sua vida, mas vai silenciar a voz que fala em sua mente. Se continuar sob o domínio dos Enders, Callie estará constantemente sujeita a fazer o que não quer, inclusive contra as pessoas que mais ama. Callie tem pouco tempo. Obstinada por descobrir quem é de fato o Velho e desejando, mais que tudo, uma vida normal para si e para o irmão, ela vai lutar pela verdade. Custe o que custar.


Enders é o segundo e último livro da duologia. A história de Enders acontece logo depois do final do primeiro livro Starters, então se você não leu o primeiro livro, esta resenha pode conter spoilers do primeiro livro.

Starters termina com a destruição da Prime Destinations e um gancho surpreendente para o segundo livro, Old Man, que conseguiu escapar, pode entrar na cabeça da Callie e conversar com ela. Eu tinha gostado bastante de Starters e com esse final fiquei muito ansiosa para ler a continuação. Tinha formulado mil hipóteses para o desenrolar do segundo livro, pensei que veríamos mais sobre a guerra dos esporos, da sociedade ou do ponto de vista dos Enders (já que esse é o título do livro), mas confesso que me decepcionei bastante com o livro, ele não é tão ruim mas ficou devendo muito no quesito explicações.

Callie agora vive com seu irmão Tyler e o amigo Michael na mansão da sua inquilina Helena que havia deixado para ela de herança, achando que a vida agora será mais fácil, tranquila e feliz, que Tyler poderá ter uma infância um pouco mais normal. Ledo engano! Old Man continua solto e querendo capturar todos os Starters com o chip na cabeça, aqui chamado de Metals. E para piorar tudo, como o chip da Callie é modificado, ele consegue falar com ela e controla-la. Callie está assustada e desesperada sem saber o que pode acontecer com ela e os outros Metals. Surge um novo personagem Hyden um jovem prodígio, com um laboratório incrível e pronto para ajudar e salvar Callie das garras do Old Man.

Apesar da narrativa não ser tal eletrizante e fluida quanto no primeiro livro, são vários eventos, tantas coisas acontecendo que a leitura segue em um ritmo bom e agradável.

“Someday, we'll both be Enders, and even with green laser surgery, eventually we’ll be old and wrinkled. Like everybody. But we’ll look a lot better if we’re happy inside. If we used our brains and our talents instead of stressing over what someone else defines as ‘pretty.’

Em relação aos personagens, infelizmente a autora se perde por completo, se no primeiro livro alguns personagens eram esquecidos e outros negligenciados, neste isso acontece com todos, sim todos. Tyler é largado aos cuidados da Enders Eugenia, o garoto some por completo da história. Michael que eu sempre achei que teria alguma revelação bombástica ou um papel mais relevante parece um coadjuvante de fundo, está aí só para preencher o cenário. Old Man faz suas pontas na cabeça da Callie, nem Hayden e Callie são desenvolvidos, sempre tive a impressão que quando um aparecia o outro ficava em segundo plano para não mascarar a ação e descobertas que aquele fazia.

Mais uma vez surgem alguns personagens e depois de algum tempo a autora não sabe o que fazer com eles, e resolve mata-los ou mandar para algum lugar de onde nunca mais regressam (rsrsrsrsrsr).

“Beauty isn’t about meeting some holo-star standard, it’s about being you. Because looks come and go. But nobody else can be you.”

Outros problemas também aparecem no livro. O romance. Sim, a autora quis colocar mais um romance no livro. E ele foi jogado no meio da história, sem preparação. De repente, estão a Callie e Hyden conversando e eu fico pensando “o que está acontecendo?”, e eles se beijam. Sério não achei que isso ia acontecer, até então, não tinha rolado nenhuma química ou tensão entre eles.

Agora o que mais me irritou foram as atitudes da Callie, no primeiro livro ela era esperta, precavida, pronta para agir em qualquer situação, mas agora ela ficou burra e irritante, não pensa mais no perigo, em sobreviver, só toma as decisões no impulso, sem pensar na consequência disso para ela e para os outros. Disse para mim mesma, parece que agora que conseguiu casa e comida, ela perdeu o cérebro, só faz burrada.

E aquele final??? Totalmente aberto e sem respostas. Não foi explicado nada sobre a guerra ou o futuro dos Metals. Até o penúltimo capítulo estava esperando uma reviravolta, algum acontecimento que deixasse a história impactante, mas quando vi que faltavam poucas páginas não daria tempo nem de resolver a trama convincentemente e foi o que aconteceu, a autora fez mágica e tudo se resolveu.

Se fosse uma trilogia ou série, acho que Enders teria sido uma história muito boa, mas para uma duologia e sendo o livro de encerramento ficou muito a desejar. Recomendo Starters que é muito bom, mas tenha em mente que Enders pode ser decepcionante.

Este é o segundo livro lido para o Desafio Alfabeto Literário do mês de abril. #desafioalfabetoliterário



2 comentários:

  1. Oi Lisandra,
    Ainda não li essa duologia, aliás eu pensava que fossem três livros.
    Triste as escorregadas da autora, pior coisa é gostar de um personagem que o autor não valoriza. Quero dar uma chance.

    P.S.: Ah, tomara que você curta a leitura de A Dama das Camélias, depois me fala o que achou.

    tenha um ótimo final de semana =D
    Nana - Obsession Valley

    ResponderExcluir
  2. Oi Li,
    Nossa sua resenha me deu um banho frio agora.
    Eu sempre tenho medo de finais de distopias, porque eu nunca consigo gostar,rs sempre acho que falta alguma coisa mas nesse parece que falta muito!
    Bom, lerei para tirar minnhas conclusões, mas sem expectativas.
    Obrigada por particicpar do #desafioalfabetoliterario
    bjs

    ResponderExcluir