quarta-feira, 8 de junho de 2016

Resenha: O Circo Mecânico Tresaulti

Título Original: A Tale of the Circus Tresaulti
Autor: Genevieve Valentine
Ano de Publicação: 2011
Editora: DarkSide
Páginas: 320p.
Ano de Edição: 2016
ISBN: 9788566636802
Idioma Original: Inglês
Tradutor: Dalton Caldas
Título em português: O Circo Mecânico Tresaulti


Sinopse:
Num mundo pós-apocalíptico, onde as pessoas não tem mais acesso à tecnologias de ponta, uma caravana circense leva esperança por onde passa. Os artistas são sobreviventes de guerra, que tiveram seus corpos mutilados reconstruídos com complexas estruturas mecânicas.


Admito que eu comprei esse livro pela capa, desde a primeira vez que a vi (nem lembro em qual canal ou blog) eu adorei a capa, algo nela me chamou a atenção e me fascinou. Não costumo me aprofundar na sinopse antes de ler, e só sabia que era sobre uma trupe circense no mundo pós-apocalíptico.

Eu gosto de distopia, ficção cientifica e terror, mas nunca tinha lido nada do subgênero Steampunk (nem sabia muito bem o que era rsrsrsrsrs). O Circo Mecânico Tresaulti cumpriu o papel muito bem de me mostrar esse mundo do Sci-Fi Steampunk.


Nesta distopia steampunk, acompanhamos uma trupe circense que leva alegria para a realidade triste das pessoas que tentam sobreviver em um mundo devastado por várias guerras. O mundo não tem mais fronteiras, as pessoas vivem em cidades independentes que tentam se reconstruir depois da última grande guerra.

O circo é composto por pessoas que perderam tudo na guerra, inclusive partes do corpo. Boss, a dona do circo, tem um dom diferente, consegue reviver os mortos com ossos feitos de metal. É assim, que a trupe realiza performances circenses que fazem as pessoas esquecerem-se dos problemas do dia-a-dia e sorrirem.

A história é contada de forma não linear (presente e diversos tempos passados são intercalados) e alguns capítulos são narrados em terceira pessoa, enquanto outros são em primeira pessoa pelo Little George. Às vezes o mesmo acontecimento é contado pelo Little George, na perspectiva dele e depois é recontado em terceira pessoa nos dando a visão geral do acontecimento. No começo é estranho e até complicado acompanhar essa troca de narrador e tempo, mas depois tudo entra nos eixos e a narrativa flui muito bem.

Gostei do estilo da narrativa, mas senti falta de certa linearidade. Apesar dos personagens serem cativantes e de personalidade incrível, não senti uma conectividade com eles. Parecia que estava apenas lendo sem um envolvimento com os personagens ou a trama.


Há muitos personagens e ao longo da história nos é contado seu background, como entrou para o circo e como ele mudou sua vida. São histórias tristes e trágicas que nos fazem entender porque as pessoas são como são. Mas com certeza posso dizer que dentro de todos os personagens, o protagonista é o circo. É o circo que uni essas pessoas e dá o motivo para continuarem a viver.

É uma história diferente, estranha e maravilhosa. Recomendo para quem gosta de distopia sci-fi.

Esta edição da DarkSide está maravilhosa, a capa além de linda tem uma textura muito agradável ao toque. E traz ilustrações maravilhosas do ilustrador Wesley Rodrigues.

Livro lido para o Desafio I Dare You #IDAREYOUDL do mês de maio, tema capa linda. 




Nenhum comentário:

Postar um comentário