quarta-feira, 3 de agosto de 2016

Leituras de Julho

Julho não foi um bom mês para as minhas leituras, nas últimas duas semanas quase não consegui ler muito. Com isso, dois livros que estavam na minha TBR acabaram ficando sem ser lidos.


Os livros que li:

Café Preto – Agatha Christie: Peça teatral escrita pela autora em 1930 e adaptada para romance em 1998 por Charles Osbourne. Poirot é contratado por um cientista que teme que sua fórmula para uma arma revolucionária seja roubada por alguém de sua própria família. Infelizmente Poirot chega tarde demais, a fórmula havia sido roubada e Sir Claud Amory (o cientista) está morto.  Poirot, acompanhado pelo seu fiel amigo Hastings, tem apenas um fim de semana para descobrir a identidade do ladrão e do assassino, e se os dois crimes tem relação. Tudo acontece rápido, por ter sido escrito para o teatro não temos grandes mudanças de cenário e todas as provas estão disponíveis para Poirot logo no começo. Vale a pena ler, claro AC sempre é bom de ler, mas neste livro o interessante é ver o lado teatral da autora.


Garota Exemplar – Gillian Flynn: No dia do aniversário de cinco anos de casamento, Amy Dunne desaparece de sua casa, todas as pistas apontam para o marido de Amy, Nick Dunne. Os capítulos são divididos entre o ponto de vista do Nick e o diário de Amy, onde temos uma Amy amorosa e tentando de tudo para salvar o casamento e Nick um homem frio, arrogante e nem um pouco a fim de salvar o casamento. Já Nick afirmando inocência do sumiço da esposa conta uma história diferente, ou melhor, uma Amy diferente. Qual Amy e qual Nick são os verdadeiros e principalmente o que aconteceu com a Amy? Um livro que nos faz mudar de opinião diversas vezes e ter certeza para no próximo capítulo mudar e não ter mais certeza de nada. Apesar de o enredo ser maravilhoso, tive sérios problemas com esse livro, às vezes achava devagar demais, em outros momentos ele me prendia tanto que eu nem me lembrava de respirar. No balanço final, eu gostei bastante do livro e achei o final bem condizente com a história.


Caixa de Pássaros – Josh Malerman: histórias macabras da internet surgem relatando que pessoas “normais” estão surtando, cometendo crimes horrendos e se suicidando. No começo poucas pessoas acreditam, mas logo depois o caos se instala. Ninguém sabe o que está acontecendo, somente que não podem olhar para fora. Algo lá as faz cometer essas atrocidades, e no meio disso tudo Malorie se encontra grávida. A história é centrada na Malorie e narra os acontecimentos do passado intercalado com o presente. No passado Malorie, grávida, vai procurar refugio em uma casa com outros moradores. No presente, Malorie está sozinha criando duas crianças de quatro anos e tentando encontrar uma nova moradia. Um dos melhores livros que já li, thriller psicológico e totalmente claustrofóbico.


Se Eu Fosse a Cinderela – Gislaine Oliveira: Livro fofo e meigo, infantil. Cinddy é uma adolescente que não gosta do nome (já que traz complicações na escola) e não suporta a ideia dos contos de fadas, até que ela se vê dentro de um conto de fada e percebe que pode fazer e ser ela própria.  História curta, ótima para crianças (meninas e meninos).






A Volta ao Mundo em 80 Dias – Jules Verne: Clássico do escritor francês Jules Verne. Phileas Fogg, inglês, excêntrico, metódico, pontual e chato afirma ser possível dar a volta ao mundo em apenas 80 dias (isso em 1872), está tão certo disso que aposta metade da sua fortuna que ele será capaz de dar a volta. Assim, ele e o criado Passepartout partem para grandes aventuras. Verne nos faz sentir como se estivéssemos no passado e estamos viajando por uma época de transportes escassos e pouco conhecimento dos países e da cultura dos povos fora do eixo Inglaterra – França.



Foram ótimas leituras em julho! E este mês foi fácil escolher o meu queridinho: Caixa de Pássaros. Este thriller me prendeu do começo ao fim na escuridão total. Ele não nos conta muito sobre o que está acontecendo ou sobre as criaturas e isso me fez sentir no lugar da Malorie.


Nenhum comentário:

Postar um comentário